Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Maria Bolacha

Maria Bolacha ou Bolacha Maria. Alcunha da adolescência que persisto em conservar.

Maria Bolacha

Maria Bolacha ou Bolacha Maria. Alcunha da adolescência que persisto em conservar.

Com o Carlão, num dia de Sol, na Caparica.

[Queria uma fotografia com o Carlão. O homem mais procurado da segunda noite e, na minha modesta opinião, dos dias de festival inteiro. Afinal não estivesse ele a jogar em casa e como costumo ouvir por aí "um Almadense nunca desilude". Nós, não o desiludimos e ele, bem ele não desiludiu de certeza: deu um dos mais sentidos e brutais concertos que já vi dele. E não foram poucos.]

sofia_carlao2.jpg

 Agosto já lá vai, bem longe. Estamos em Outubro. Com temperaturas tão altas que lembram o Verão.

Ainda todos muito expectantes em relação às eleições autárquicas, aproveitamos os últimos dias de Sol para nos despedirmos da estação que quase todos, preferem, quase.

Foi um Verão cheio de momentos. [claro que os outros todos anteriores, também foram].

Estivemos no Algarve em pleno agosto. Aquashow em pleno agosto. Armação de Pera em pleno agosto. Tudo como eu gosto e estou a ironizar claro. Algarve em Agosto é um pequeno teste à paciência dos que por lá passam e que conhecem o mesmo sítio nos outros meses do ano. Mas a verdade é que a companhia, vale por tudo e o sítio onde estamos, a confusão alheia, deixa de ser relevante.

Regressamos aos tempos de campismo, ainda que nos carros não tenham cabido as mesas para os miúdos comerem, nem o móvel que seria a  nossa "pseudo" cozinha. O que nos levou a comer fora todos os dias. E essa foi a parte que gostei bastante confesso.

Um verão cheio de sol, constante um pouco por todo o nosso belo território à beira mar plantado.

Em Almada, o Sol também brilhou na Caparica. A miúda adora acompanhar-me nestas "coisas dos grandes" como costuma dizer. Queria uma fotografia com o Carlão. O homem mais procurado da segunda noite e, na minha modesta opinião, dos dias de festival inteiro. Afinal não estivesse ele a jogar em casa e como costumo ouvir por aí "um Almadense nunca desilude". Nós, não o desiludimos e ele, bem ele não desiludiu de certeza: deu um dos mais sentidos e brutais concertos que já vi dele. E não foram poucos

Concertos à parte, a miúda queria uma fotografia com o seu ídolo maior. E teve a. Acho que ainda me emociono quando me lembro da cara dela e sobretudo, do brilhozinho nos olhos que tinha quando olhou para mim. E não foi graças a Deus. Não. Foi graças ao Carlos mesmo. "Carlão" para o mundo. Tão nobre e de alma tão grande.

(E à  maravilhosa "Lene", prima dele, que me incentivou...)

sol.jpg