Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Maria Bolacha

Maria Bolacha ou Bolacha Maria. Alcunha da adolescência que persisto em conservar.

Maria Bolacha

Maria Bolacha ou Bolacha Maria. Alcunha da adolescência que persisto em conservar.

Alma...dense(a) dreamer!

[São tempos difíceis para os sonhadores.]

banner mini.jpg

Sim, é verdade, dizíamos que os anos iam passar, mas que o Peter Murphy, ia sempre estar de cabeça para baixo e "cu" espetado na cama do "Deep". E nós sempre ansiosas por ouvir "a strange kind of love", algo que Freud, quanto a nós, não explicava. Num lugar onde estarão sempre os nossos desejos ausentes e imaculados. Onde habitará sempre a nossa perfeita adolescência e tudo o que ela simboliza.

O Peter Murphy continua lá, sem o David, mas continua. Simbiose perfeita dos anos 90. Um tempo em que ríamos por nada e chorávamos por tudo. Hoje, já não há Ziggy Stardust que nos valha. Nem livro em branco que não esteja rabiscado, com palavras soltas mas com ideias precisas.

Os "verdes" anos passaram. Com eles, perdemos sonhos pelo caminho, ganhámos batalhas, perdemos algumas também. Seguimos caminhos fáceis que não nos levaram a lado nenhum. Outros, porém, difíceis mas que no final, valeram bem a pena.

E depois ainda havia a “nossa” Lua, aquela que é sempre mais bonita vista do miradouro do Castelo. Não há Lua como aquela. Não há luz, nem brilho, nem reflexo.

Já não vinha “aqui” há 7 ou 8 anos. Ao topo do mundo. [como costumo chamar]. No cimo do reservatório de água do Raposo, na Caparica. Uma espécie de “Cristo Rei” sem religião, mas que permite fotografar a cidade, com o seu monumento. [permite a quem esteja autorizado, claro]

Ao olhar a cidade, lembrei-me que da última vez que aqui estive, tinha a lua como companhia e era final de tarde. Estava frio. Pensei no Peter Murphy e recordei a nossa Lua do Miradouro do Castelo, que tanto nos fascinava e fascina.

Mas queria confessar te um segredo, minha querida Catarina B. Companheira de luas cheias e de tantas outras coisas, tantas, que dariam quase um livro de aventuras e de estórias encantadas de princesas sem coroa. E muito, mas muito apaixonadas.

 A nossa lua será sempre a mais bela. Sempre. Mas um dia, hei-de conseguir que a venhas ver comigo, daqui do “topo do mundo”. Um dia que esteja bem cheia, dourada e redondinha, ao cair da tarde e a “emparelhar” com o nosso Cristo e com o recorte de Almada de fundo. Consegues imaginar?

Enquanto não vamos, temos sempre a nossa lua, que desenrola o seu meigo manto de prata e que nos ilude com perspectivas sobre a nudez da terra que habitamos. A luz amortece no mesmo instante em que o tempo corre. Ela queria ser o sonho que alguém sonhasse.

São tempos difíceis para os sonhadores…

 

IMG_3896a muro pb.jpg